Como funcionam as linhas de crédito para reforma de condomínio?

4 minutos para ler

Fazer a gestão de um condomínio não é uma tarefa simples. Muitas vezes, problemas inesperados podem aparecer e, com eles, surgem dores de cabeça, principalmente quando não se tem um fundo de reserva suficiente para cobrir essa nova despesa. A demanda é urgente e, mesmo com a arrecadação de uma taxa extraordinária, o valor necessário não é alcançado no tempo hábil. Como resolver isso?

A linha de crédito para reforma de condomínio oferecida por bancos, financeiras e até cooperativas é uma opção que deve ser estudada. Com seu surgimento entre os anos de 2007 e 2008, as alternativas de crédito para condomínios se fortaleceram no mercado em decorrência do crescimento da quantidade de prédios no Brasil.

Neste artigo, você vai aprender mais sobre as linhas de crédito disponíveis para condomínios e vai descobrir como escolher a ideal para a reforma do seu. Aproveite a leitura!

Quais são as linhas de crédito?

O segmento dos condomínios cresceu tanto que, segundo a ABRASSP (Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais), esse mercado movimenta mais de R$ 165 bilhões ao ano. Isso significa que as linhas de crédito para reforma de condomínios são recursos bastante procurados, porém, podem ser de difícil acesso dependendo do banco a ser acionado. A seguir, saiba mais sobre as principais linhas de crédito.

Cartão condomínio

O cartão é uma opção de linha de crédito para reforma de condomínio que pode ser utilizada para ações de menor montante, mas que demandam urgência. O interessante dessa alternativa é que o síndico pode corrigir algum problema de maneira imediata e, depois, arrecadar com os condôminos a quantia necessária para o pagamento do débito.

Empréstimos bancários

Os empréstimos bancários são opções que devem ser consideradas. No mercado, você vai poder encontrar opções em CDC, que é uma modalidade de crédito pessoal. Inclusive, ela pode ser contratada direto no caixa. As suas taxas são um pouco mais altas se comparadas com outras linhas disponíveis, como o crédito consignado para pessoas físicas, por exemplo.

Consórcios para o segmento

De acordo com um levantamento de março deste ano, realizado pelo Banco Central, existem mais de 170 mil cotas de consórcios comercializadas por mês no país. A maior possibilidade de juros baixos torna essa linha de crédito muito procurada. Ela funciona por meio de três modalidades de lance: fixo, livre ou embutido. Além disso, conta com sorteios mensais que permitem a contemplação da carta.

É interessante destacar que as obras de individualização da água podem ser categorizadas como sustentáveis, e isso pode contribuir para o oferecimento de uma linha de crédito com taxas melhores.

Quais cuidados são necessários ao contratar uma linha de crédito?

Na hora que o problema surge, a tendência é de querermos resolvê-lo logo, não é verdade? No entanto, tudo que diz respeito a dinheiro deve ser analisado com cautela. Um dos pontos que se deve ter cuidado é com a convenção condominial. Nesse documento, deve estar detalhada a concessão ao síndico de buscar crédito financeiro e apresentar as condições para isso.

Considere, também, a taxa de inadimplência do condomínio. Firmar um compromisso financeiro sem ter uma previsibilidade de pagamento não é uma decisão inteligente. Afinal, o condomínio vai acabar entrando em dívidas e, ainda, ficar com uma obra inacabada.

Outro detalhe que é necessário considerar é em relação aos juros. O ideal é que esteja discriminado na convenção o máximo de juros permitido ao contratar uma determinada linha de crédito para reforma de condomínio. O síndico precisa, de qualquer forma, realizar uma assembleia para comunicar a necessidade do crédito e, nesse momento, apresentar as opções disponíveis para votação e documentar a reunião por meio de uma ata.

Apesar de existirem essas opções de linha de crédito para reforma de condomínio, o ideal é que o síndico tenha uma visão gerencial mais amadurecida e construa um fundo de reserva. E aliado a ele, ter a possibilidade de investir esse montante em títulos públicos ou em fundos de investimentos, ambas são opções mais seguras. Dessa forma, evita-se o gasto com juros originários das linhas de crédito, por exemplo.

Se você quer aprender mais sobre administração de condomínios, aproveite e leia o nosso artigo com dicas que todo síndico deveria conhecer. Não deixe de conferir!

Posts relacionados

Deixe um comentário